sexta-feira, 27 de março de 2015

Músicas para a Semana Santa - 2015

video video video video





Amigos Pra Valer!

Texto bíblico: “O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade.” Provérbios 17:17.

Objetivo: Mostrar que os pioneiros da Igreja Adventista eram jovens e unidos. Um valorizava a amizade
do outro.

Recursos utilizados: Baú ou caixinha de presente, tendo papéis com vários nomes. A pessoa que for
contar a história deverá colocar o nome de seus amigos nos papéis e ler alguns para as crianças; martelo,
pregos e a Bíblia.

Introdução: Hoje estamos comemorando a amizade. É um sábado especial, em que convidamos amigos
para estar conosco. E queremos que eles se sintam muito bem-vindos em nossa igreja. Os amigos são como
um tesouro precioso. Eles têm muito valor em nossa vida. Este é o meu baú da amizade, (mostrar o baú) e
aqui dentro estão os nomes dos meus melhores amigos. A história de hoje é sobre um grupo de jovens que
também se tornaram amigos. Eles sabiam que tinham um trabalho especial para fazer, e foi a amizade entre
eles que os ajudou a não desistir quando acontecia algo que os deixava desanimados. Vamos conhecê-los?

História Bíblica: Houve algo que uniu José Bates, Tiago e Ellen White, John Andrews, John Loughborough
(pronuncia-se Loufbórou) e Urias Smith para que eles se tornassem bons amigos. Vocês sabem o que
eles tinham em comum? O amor a Deus e a vontade de conhecer a verdade que estava na Bíblia. Eles
viveram na mesma época e, apesar de serem bem diferentes uns dos outros, Deus aproveitou o que cada
um tinha de melhor e os usou para dar início ao que hoje é a Igreja Adventista. José Bates, por exemplo,
tinha sido capitão de navio, mas amava a Bíblia e foi um dos primeiros a entender a importância do sábado
como o dia certo de guarda. Tiago era um homem muito organizado e isso foi bastante útil para dar início
ao trabalho de publicar materiais que ajudariam a igreja. Ellen se tornou a mensageira escolhida por Deus,
Urias e John Loughborough eram estudiosos e também escreviam muito bem. Andrews era tão inteligente
que até hoje temos uma Universidade nos Estados Unidos em homenagem ao nome dele.
Tem uma história curiosa envolvendo John Loughborough. Certa ocasião, ele ficou desanimado e
resolveu se mudar para outro lugar. Inicialmente, ele pensava em se manter com o cultivo da terra e continuar
pregando sobre a mensagem de salvação. O problema é que as coisas não saíram como ele tinha
planejado. Para ganhar o seu sustendo e o de sua esposa, ele comprou umas ferramentas e foi trabalhar
numa loja. Mas ele tinha cada vez menos tempo para pregar. Até que um dia, ele recebeu a visita dos
seus amigos Tiago e Ellen White. Eles tinham vindo de muito longe. Ellen olhou bem para Loughborough
e fez três vezes a mesma pergunta: “O que você está fazendo aqui, Elias?” Mas o nome dele era John...
Sim, é que ela estava querendo que ele se lembrasse da vez em que o profeta Elias também tinha ficado
desanimado e Deus o lembrou do trabalho importante que ele tinha que fazer.
Imediatamente, John entendeu a mensagem e voltou a pregar, não com pregos, mas com a Palavra
de Deus. E ele nunca mais ficou desanimado nem foi tentado a parar de falar de Jesus.

Apelo: É muito bom ter amigos, especialmente aqueles que se preocupam com a gente. Agora, vamos
orar pelos amigos: “Obrigado, Senhor, pelos bons amigos que nos deste. Que hoje eles recebam uma
bênção especial de Ti. Em nome de Jesus, Amém!”





sexta-feira, 20 de março de 2015

As Contas do Sr. Miller

Texto bíblico: “Vão e façam discípulos de todas as nações.” Mateus 28:19.

Objetivo: Explicar quem foi Guilherme Miller e o papel que ele teve no surgimento do movimento
adventista.

Recursos utilizados: Encenação. Alguém para representar Guilherme Miller e alguém para representar
Lucy. Papéis com muitos números para representar os cálculos de Miller. Uma Bíblia. A igreja pode servir
de audiência quando Miller começar a pregar.

Introdução: Quem de vocês gosta de matemática? Vocês sabiam que os números fazem parte da
nossa vida? Querem ver? Como sabemos a idade que temos? Pela contagem dos dias, meses e anos.
Quando vamos seguir uma receita, os números também estão nas medidas. Se pensarmos bem, há números
por toda parte. A história de hoje é sobre um homem que fez uma descoberta muito importante
por causa de números que estavam na Bíblia.

História Bíblica: Olá, crianças! Hoje vou apresentar a vocês o Sr. Guilherme Miller. (Entra a pessoa
caracterizada, segurando muitos papéis cheios de números. Ele deve estar concentrado, como se estivesse
falando sozinho e pode ficar sentado, enquanto a história é contada.) Sabem, desde criança, ele
sempre gostou de ler. Naquele tempo, não havia luz elétrica. Para ler à noite, ele queimava pedacinhos
de madeira na lareira para ter iluminação suficiente para a leitura. Quando ficou moço, Guilherme se
casou com uma jovem chamada Lucy. (Entra uma moça caracterizada e coloca as mãos sobre os ombros
de Miller. Depois, ela sai.) Miller era um homem em quem as pessoas confiavam. Ele foi capitão do exército
dos Estados Unidos na época da guerra, em 1812. Depois que voltou para casa, Miller ajudava na
leitura dos sermões na igreja. Foram essas leituras que o levaram a estudar mais a Bíblia.
Miller começou a gostar cada vez mais de ler a Bíblia. Certa vez, enquanto lia este precioso Livro
(mostrar), ele descobriu algo maravilhoso. Começou a fazer cálculos e entendeu que estava muito perto
de Jesus voltar. No começo, ele ficou com vergonha de falar isso para as pessoas. Mas Deus mostrou que
Miller devia pregar e dar essa boa notícia ao maior número de pessoas. Assim, ele se tornou um pregador
muito conhecido. (o homem se levanta, dirigindo-se à igreja e diz: “Como vocês puderam ver por esses
cálculos, Jesus virá muito em breve! Todos nós devemos nos preparar para recebê-Lo.) Entre as pessoas
que ouviram a mensagem de Miller, estava a família de Ellen Harmon. Eles acreditaram sinceramente
que isso logo aconteceria.

Apelo: Apesar de Jesus não ter vindo na data em que Miller pensava, Deus o usou para chamar a
atenção das pessoas para algo importante que estava para acontecer. As pessoas, que acreditaram como
Miller ficaram conhecidas como “adventistas” porque esperavam pelo advento, ou seja, a vinda de Jesus.
Miller não criou a Igreja Adventista do Sétimo Dia, mas ele foi um amigo de Deus que acreditou na vinda
de Jesus até o dia da sua morte. Sabem, amigos! Miller vai ser uma daquelas pessoas que vão ressuscitar
para ver Jesus voltar e realizar o que foi o maior desejo do seu coração. Acho que ele vai ter muito tempo
para aprender a fazer novos cálculos, quando estiver no Céu. Sim, ele vai ter toda uma eternidade para
isso. Vamos orar e agradecer a Deus por pessoas como Guilherme Miller e aguardar a volta de Jesus!




quinta-feira, 12 de março de 2015

Acidente!

Texto bíblico: “Tu me deste vida e me deste amor, e os Teus cuidados me conservam vivo.” Jó 10:12, NTLH.

Objetivo: Falar do acidente que Ellen sofreu e como Deus a usou, mesmo tendo uma saúde frágil.

Recursos utilizados: Livros escolares, uma lancheira, uma bolinha de papel para representar a pedra,
estetoscópio (para representar os médicos).

Introdução: Há momentos difíceis em nossa vida, quando temos que enfrentar situações que não
imaginamos passar. Nesses momentos, Deus promete estar conosco e nos ajudar. Ellen Harmon passou
por um momento difícil quando era criança. Mas Deus esteve ao lado dela e a ajudou a vencer suas
limitações.

História Bíblica: Ellen era uma menina muito estudiosa. Na verdade, ela era uma das melhores alunas de
sua classe. Como a escola daquele tempo não tinha livros para todos os alunos, a professora pedia para
Ellen ler as lições para o restante da turma. Às vezes, ela era convidada para ler para as crianças menores.
Os alunos gostavam de ouvir Ellen ler.
Ellen e sua irmã gêmea Elizabeth estavam no terceiro ano, quando aconteceu algo terrível que mudaria a
vida de Ellen para sempre. As aulas tinham acabado e as irmãs, acompanhadas de outra menina, estavam
voltando para casa. Ao atravessar a praça, uma garota maior começou a xingá-las e correr atrás delas. Elas
não haviam feito nada para aquela garota e não entenderam por que a menina estava agindo daquele jeito.
A melhor coisa a fazer era sair dali o mais rápido possível. Ellen segurou firme os seus livros e começou a
correr. Mas, num determinado momento, quando se virou para ver a que distância estava da menina má,
Ellen foi atingida em cheio no rosto, por uma pedra. Na hora, ela caiu ao chão, inconsciente.
Com a ajuda da irmã e da amiga, Ellen foi levada para casa. Os médicos foram chamados, mas nenhum
deles deu esperança de que Ellen sobrevivesse. O acidente tinha sido muito grave. A pedrada tinha sido tão
forte que havia quebrado alguns ossos de seu rosto. Ellen ficou em coma, inconsciente, por três semanas.
Nesse tempo, a mamãe de Ellen cuidou dela e orou para que a filha não morresse. Deus tinha planos especiais
para Ellen, e ela sobreviveu. Foi muito triste para Ellen não poder continuar estudando na escola. Toda
vez que ia ler, as palavras se embaralhavam nas páginas dos livros. Ela também não conseguia escrever, pois
suas mãos tremiam.
Mas Deus estava cuidando de Ellen. E a mamãe dela, a Sra. Harmon, se tornou sua professora em casa.
Ellen gostava de observar a natureza, as árvores, as plantas e as flores.

Apelo: Antes de sofrer o acidente, Ellen tinha o sonho de ser professora. Ela pensou que esse era um
sonho impossível. Mas Deus escolheu Ellen para ser Sua mensageira e ensinar às pessoas coisas que
nenhum livro escolar poderia ensinar: o amor de Deus pelo ser humano e tudo o que Ele está disposto
a fazer para nos salvar. Pode ser que vocês tenham que enfrentar algum momento difícil na vida. Mas,
lembrem-se sempre de que Deus está com vocês e pode transformar situações difíceis em bênçãos. A
fragilidade e a fraqueza de Ellen permitiram que as pessoas enxergassem o poder de Deus manifestado
nela. Deus também pode fazer grandes coisas por meio de vocês!







sexta-feira, 6 de março de 2015

O Dia em que a Régua não Foi Usada Para Medir

Texto bíblico: “Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem,
também será usada para medir vocês.” Mateus 7:2.

Objetivo: Ensinar que é importante perdoar as pessoas.

Recursos utilizados: Um estojo escolar com alguns objetos; uma régua de madeira.

Introdução: Vocês já estão na escola? Ah, é muito gostoso quando começa o ano e a mamãe compra
os materiais novinhos pra gente. Dentro do estojo, ficam os lápis de escrever, a borracha, o apontador, os
lápis de cor... Tem também a régua. Para que serve a régua? Para medir e para nos ajudar a riscar reto.
A história de hoje também é sobre um dia na escola e sobre uma régua. Só que ela não foi usada para
medir. Vamos ouvir o que aconteceu?

História Bíblica: Quando Ellen era criança, as escolas eram pequenas, com apenas um professor para
toda a escola. As carteiras eram como bancos onde se sentavam juntos dois ou três alunos. Tudo era de
madeira e bem simples. Naquele tempo, os professores costumavam aplicar castigos aos alunos que não
cumprissem suas tarefas ou que fizessem muita bagunça.
Infelizmente, nem sempre você podia escolher com quem sentar, e então você dependia da sorte de
sentar-se ao lado de um aluno bem comportado, senão teria que suportar o colega o ano todo e torcer
para não ter problemas.
Ellen não teve muita sorte com uma colega de carteira. Logo nos primeiros anos escolares, ela se
sentou com uma menina que fazia muita bagunça e não obedecia quando o professor mandava que
ela ficasse quieta. Certo dia, ela fez tanta bagunça, que o professor ficou muito bravo. Ele chamou a
atenção da menina, mas ela nem ligou. Sem pensar muito, o professor fez algo que ninguém esperava:
Ele jogou a régua que estava em sua mão na carteira, mas sua pontaria não foi boa. Em vez de acertar
a carteira, ele atingiu em cheio a testa de Ellen. Ai! Que desastre! Ellen ficou muito triste, pois sofreu por
causa do erro de sua colega de carteira. Embora não fosse essa a sua intenção, o professor foi até ela e
disse: “Ellen, você pode me perdoar? Eu cometi um erro.” Ellen prontamente respondeu: “Claro que eu
o perdoo, professor. Mas o senhor não deveria ter ficado tão nervoso. A régua poderia ter machucado
muito mais.” Acho que o professor deve ter ficado envergonhado. Afinal, réguas existem para medir e
não para ferir as pessoas. Ainda bem que ele reconheceu seu erro e pediu perdão.

Apelo: Sabem amiguinhos, algumas vezes os adultos erram com as crianças, e outras vezes as crianças
erram com os adultos. É importante que, tanto adultos como crianças, saibam pedir perdão e
também perdoar, mesmo que o erro tenha sido um acidente ou sem querer. Deus fica muito feliz quando
fazemos as coisas certas, pois Ele também nos perdoa quando precisamos. Então, lembrem-se de pedir
perdão sempre que errarem! E perdoem quando alguém lhes pedir perdão por algo que fizeram contra
vocês. Assim, todos ficarão contentes.