domingo, 30 de agosto de 2015

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

O Bom Humor de Ellen

Objetivo: Desfazer a ideia de que Ellen White era uma mulher séria e ranzinza.

Recursos utilizados: Foto do cachorro de Ellen White. É possível conseguir a foto neste link:
http://centrowhite.org.br/downloads/imagens/familia-white/tiglath-pileser/

Introdução: Quem aqui tem algum animalzinho de estimação? Vocês podem me dizer o nome deles?
Por que escolheram esse nome? Hoje quero apresentar para vocês o cachorro da Sra. Ellen White... Este aqui é o Tiglate-Pileser. [Mostrar a foto.] Que nome diferente, não é? Vocês sabiam que esse nome está na Bíblia? Querem ver? Está aqui em 2 Crônicas 28:20: “Quando chegou Tiglate-Pileser, rei da Assíria, causou-lhe problemas em vez de ajudá-lo” (NVI).

História Bíblica: Sabem, amiguinhos, muitas pessoas pensam que Ellen White era uma mulher muito
séria, carrancuda, que não sorria e que não via graça nas coisas. Mas isso não é verdade. Uma das provas disso foi o nome que ela escolheu para o cachorro da família quando morava na Austrália. Era para o pequeno animal servir de cão de guarda da casa. Talvez por isso ela tenha escolhido o nome de um rei que foi muito bravo. Mas Tig, como acabou sendo chamado, era muito dócil e amigo das pessoas. Isso deve ter acontecido por causa da convivência dele com a Sra. White, pois ela era uma pessoa muito agradável e muito bem-humorada.
Aliás, essa é uma das características dela desde jovem, até ficar bem velhinha. Uma vez, quando se
mudou de uma cidade para outra, ela precisou comprar alguns animais para ajudar no trabalho da fazenda. Um deles era uma égua chamada Dolly. Ela diz que parecia que Dolly era alérgica ao trabalho. Ellen escreveu assim sobre a égua: “Ela fica olhando as montanhas e as colinas como se fosse um turista contemplando a paisagem.” Em outras palavras, a égua parecia preguiçosa, pois não gostava de trabalhar.
Quando estava bem velhinha, Ellen White recebia banhos especiais para melhorar a circulação do
sangue no corpo. Para isso, ela tinha que ficar dentro de uma banheira, enquanto alguém fazia massagens em seu corpo com uma luva. Era colocado um pouco de sal na água para que o resultado fosse melhor. Isso costumava acontecer duas vezes por semana. Mas, um dia, a Sra. Ellen percebeu que havia alguma coisa diferente na água. Então, ela molhou a ponta do dedo e o levou à boca. A moça que cuidava dela, em vez de colocar sal, colocou açúcar. Em vez de ficar brava, a Sra. Ellen deu uma risada gostosa e perguntou para a enfermeira: “Você estava tentando me deixar mais doce?”

Apelo: Sabem, crianças, Ellen White era uma pessoa alegre porque amava muito a Jesus. Se vocês
quiserem fazer um teste, observem as pessoas ao redor de vocês. Vocês vão perceber que aquelas que
estão sempre sorrindo e que tratam bem as pessoas agem assim porque também amam a Jesus. Espero
que vocês também sejam alegres e bondosos com as pessoas. Agora, quero ver um lindo sorriso no rosto de vocês. Que Deus abençoe a toda a igreja, as crianças, os jovens, os adultos e os velhinhos!



quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Professora ou Anjo?

Texto bíblico: “Fala com sabedoria e ensina com amor.” Provérbios 31:26.

Objetivo: Mostrar que as pessoas devem ser tratadas com bondade, pois elas são preciosas para Deus.

Recursos utilizados: Chapéu em forma de cone escrito “burra”.

Introdução: Com certeza, vocês já devem ter ouvido falar de bullying. É uma palavra inglesa que descreve a atitude errada de uma pessoa para ofender e prejudicar outra. Isso acontece por meio de palavras ou de violência física. Apesar de bullying ser uma palavra nova para nós, essa atitude errada existe há muito tempo. Aconteceu, por exemplo, com uma menina chamada Alma Baker, muito tempo atrás.
Mas a história dela nos ensina importantes lições. Vamos ouvir esta história?

História Bíblica: Alma Baker era uma menina bastante tímida. Ela gostava de aprender, mas decidiu
que não queria mais ir à escola. Sabem por quê? Porque o professor ficava chamando a pequena Alma de burra. “Você é mesmo muito burrinha...”, dizia ele. E Alma ficava cada vez mais triste. Ela sentia tanto medo daquele professor, que não conseguia aprender.
Um dia, o professor ficou tão furioso por ela não conseguir soletrar nenhuma palavra, que ele disse que faria um chapéu de burro, parecido com este aqui (mostrar o chapéu) para ela usar durante a aula. Alma estava com tanto medo, que ficou doente. Teve uma febre tão alta que não pôde continuar indo à escola. Ela ficava delirando e repetindo: “Burra! Burra!” O problema é que ela não contou para ninguém o que estava acontecendo...
Quando melhorou, Alma não quis mais voltar para a escola. Disse que preferia ficar ajudando a
cuidar da irmãzinha que tinha nascido. Só depois de um tempo, ela contou a verdadeira razão de não
querer mais ir à escola. A mãe de Alma ficou angustiada, mas a avó deu a boa notícia de que aquele
professor havia sido mandado embora da escola e que uma moça muito bondosa tinha ficado no lugar
dele. Alma ficou muito feliz e desejou voltar à escola, apesar de ter acreditado que era realmente burra.
Mas, quando conheceu a senhorita Gould, tudo mudou. A professora ajudou Alma a aprender a ler
e a fez entender que ela era uma menina muito inteligente. Quando aprendeu a ler, Alma descobriu um mundo novo. Ela começou a ler os textos escritos pelos pioneiros da Igreja Adventista e da Sra. White. E, um dia, quando já era adulta, ela se tornou a primeira professora a dar estudos bíblicos para seus alunos nos Estados Unidos.
Alma foi uma excelente professora; tanto que ela se tornou professora de professores! Ela foi convidada para ensinar aos professores cristãos como dar aula. E tudo porque alguém acreditou nela e a tratou com amor e respeito. Alma dizia que a senhorita Gould não tinha sido apenas uma professora; ela foi um anjo enviado por Deus!

Apelo: Essa história nos ensina, pelo menos, duas lições: A primeira é que ninguém, não importa
quem seja ou que posição ocupe, pode tratar mal as outras pessoas. E a outra lição é que Deus sabe do nosso valor e coloca pessoas especiais em nossa vida para nos ajudar a sermos bons alunos, bons filhos e bons cidadãos. Lembrem-se de que devemos tratar bem todas as pessoas, e fazer por elas o que Jesus  faria. E, se virem alguém sendo maltratado, contem para um adulto e peçam ajuda. Deus ama os Seus filhos e quer vê-los sempre felizes.





sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Tapetes de Retalhos

Texto bíblico: “A mulher sábia edifica a sua casa.” Provérbios 14:1.

Objetivo: Mostrar que Ellen White era uma mulher como as outras e tinha suas atividades preferidas.

Recursos utilizados: Tiras coloridas de tecido e um tapete pronto, feito de tiras.

Introdução: O que vocês gostam de fazer quando não fazem nada? Deu para entender? São as
coisas que os adultos chamam de passatempos. Eu, por exemplo, gosto de ______________ nas horas
vagas. [Citar exemplos de passatempos conhecidos de membros da igreja.] Ellen White era uma mulher muito ocupada. Quando não estava escrevendo, estava viajando. Quando não estava viajando, estava pregando. Ela tinha tanta coisa para fazer que é difícil imaginá-la sentada, fazendo algo diferente para passar o tempo ou para distrair a mente. Mas tinha uma atividade da qual ela gostava muito. Quem não ficava muito contente era o marido dela, Tiago White. Mas, acho que ao longo do tempo, ele acabou se acostumando... Sabem o que era?

História Bíblica: Ellen White era uma dona de casa muito caprichosa. Ela gostava de ver as coisas em ordem e cuidava de todos os detalhes. Outras qualidades dela eram a economia e a criatividade.
Às vezes, quando ela sentia a mente cansada de tanto escrever, ela parava um pouco e ia fazer uma
de suas atividades preferidas. Sabem o que era? Fazer isso aqui... [Mostrar as tiras e o tapete.] Ela pegava as tiras, que eram sobras ou retalhos de tecidos, trançava essas tiras e formava lindos tapetes coloridos.
Os tapetes deixavam o chão dos cômodos mais quentinhos e bonitos também. É provável que Ellen
tenha aprendido a arte de fazer tapetes com a mãe dela, que se chamava Eunice, porque suas irmãs
também gostavam de fazer os tais tapetes de tiras.
Vocês lembram de que falei no começo que Tiago White parecia não gostar muito do passatempo da
esposa? É porque Ellen tinha a saúde frágil e ele ficava preocupado com o esforço dela. Ele até inventou uma musiquinha que dizia mais ou menos assim: “Quando Jesus voltar e nos levar para o Céu, lá não haverá tapete de retalhos, não haverá tapete de retalhos. Lá no Céu, onde tudo é amor, não haverá tapete de retalhos.”
Ellen levava na brincadeira. Mas um dia ela decidiu deixar de fazer os tapetes e aprendeu a fazer tricô. Tiago White deve ter ficado mais feliz. Pelo menos, ele não fez nenhuma musiquinha falando que no Céu não terá tricô!

Apelo: É claro que isso é só uma brincadeira. Mas fica aqui a dica para vocês, crianças e adultos. É bom fazer algo que nos deixe relaxados e nos faça descansar a mente e o corpo. Pensem naquilo que vocês podem começar a fazer. Se alguém precisar de aulas para fazer tapetes de tiras ou mesmo de tricô, acho que as irmãs da ASA (Assistência Social Adventista) podem ajudar. Outra sugestão é praticar algum ato de bondade para alguém. A pessoa que receber a boa ação ficará feliz, e vocês ficarão mais felizes ainda.



Um Grande Inventor

Texto bíblico: “Com sabedoria se constrói a casa, e com discernimento se consolida.” Provérbios 24:3.

Objetivo: Contar sobre Urias Smith e como ele se tornou um dos fundadores da Igreja Adventista do
Sétimo Dia.

Recursos utilizados: Artigos inventados (fazer pesquisa e mostrar alguns objetos que foram inventados para facilitar a vida das pessoas).

Introdução: O homem inventa muitas coisas para facilitar a vida das pessoas. Será que hoje em dia
daria para a gente viver sem o telefone celular, por exemplo? E sem computador? No que mais vocês
conseguem pensar? E para as donas de casa? Já pensaram como seria viver sem a máquina de lavar
roupa, por exemplo? Seria possível, mas com certeza seria muito mais difícil. A história de hoje é sobre um inventor. Ele viveu no tempo de Tiago e Ellen White, e tinha tudo para ser uma pessoa triste, infeliz.
Mas ele preferiu usar sua dificuldade para inventar coisas que ajudariam as pessoas. Vamos conhecer a história de Urias Smith.

História Bíblica: Urias Smith tinha sido um menino normal até os quatro anos de idade. Mas, um dia, ele ficou muito doente. Além da febre, apareceu uma ferida em sua perna, que não sarava... A perna dele nunca mais ficou normal. Quando estava com 12 anos, a febre voltou e não teve outra forma de curar a doença, senão cortar fora a perna. Foi uma experiência muito difícil, pois o médico teve que cortar com uma faca, enquanto o menino estava acordado. Não tinha um remédio para impedir que ele não sentisse a dor. Urias precisou ser muito forte e corajoso!
Urias, a mãe e a irmã, Annie, fizeram parte do grupo que esperaram Jesus voltar em 1844. Eles também ficaram muito decepcionados quando Jesus não veio. Urias e Annie desistiram de acreditar naquela mensagem. Mas a mãe deles continuou orando para que os filhos um dia voltassem para o caminho certo.
E isso aconteceu! Quando estava com 20 anos de idade, Urias ouviu Tiago e Ellen pregando. Ele entendeu a razão do desapontamento e também soube a verdade sobre o sábado. Urias era muito sincero e ficou impressionado com o que ouviu. Ele decidiu se entregar novamente ao Senhor e voltar a andar nos caminhos de Deus.
Urias foi um homem de muitos talentos. Foi escritor, ilustrador, artista, poeta, autor de hinos e inventor.
Por causa do problema com sua perna, ele inventou uma perna artificial melhor, que se dobrava completamente no joelho. Foi uma grande invenção para a época! As pessoas quase não percebiam que ele não tinha uma das pernas. Com o dinheiro de sua invenção, ele conseguiu construir uma casa perto da editora, onde ele trabalhava. Ele também inventou uma carteira escolar e ainda outras coisas legais. Ele foi um bom amigo de Tiago e Ellen White e um dos fundadores da Igreja Adventista.

Apelo: Sabem, crianças, Urias Smith tinha tudo para ser uma pessoa infeliz, mas ele preferiu usar a
inteligência que Deus havia lhe dado para criar coisas boas e ainda ajudar os outros. Uma das coisas
mais bonitas a respeito de Urias Smith é que ele era um homem sábio; que pensava antes de falar as
coisas, para não se arrepender depois. Esse é um bom exemplo para nós!





sábado, 1 de agosto de 2015

Travessura na Escola

Texto bíblico: “Quem examina cada questão com cuidado prospera, e feliz é aquele que confia no
Senhor.” Provérbios 16:20.

Objetivo: Mostrar que Ellen e Tiago enfrentavam os mesmos desafios que os outros pais com seus filhos.

Recursos utilizados: Mochila de escola; cartõezinhos em branco para as crianças escreverem alguma
mensagem para os amigos.

Introdução: Vou fazer uma pergunta, mas vocês não precisam responder, OK? Quero apenas que
vocês pensem na resposta. Quem aqui já fez alguma travessura na escola? Sabem, do tipo jogar bolinha de papel num colega? Ou esconder alguma coisa só por brincadeira? As crianças são alegres e gostam de fazer algumas brincadeiras, mas nem sempre elas são legais. Precisamos pensar antes de fazer coisas que depois poderão nos trazer problemas. A história de hoje é sobre uma travessura que um dos filhos de Ellen e Tiago White fez na escola. Vamos prestar atenção para saber o que aconteceu.

História Bíblica: Esta história aconteceu quando Tiago e Ellen tinham três filhos. O mais velho se chamava Henry. O segundo recebeu o nome do pai: Tiago. E o terceiro se chamava William. Parece que William foi o mais arteiro deles. Vocês se lembram da história de semana passada, quando ele caiu no grande balde de água e quase se afogou? Pois bem, a história de hoje é sobre uma travessura que William aprontou na escola.
Quando a família White morava em Michigan e William frequentava a escola, parece que ele e os demais alunos não gostavam muito da professora. Não sabemos a razão. Talvez ela fosse muito exigente, ou muito séria, ou não demonstrasse muito amor pelas crianças. O fato é que William também não gostava dela.
Então, certo dia, aproveitando que tinha chegado mais cedo na escola, antes dos colegas, ele teve
uma ideia. Pegou o giz e escreveu mais ou menos isso na lousa: “Um dia o diabo apareceu e pegou a professora _______. Ele a levou para todas as direções, para o Norte, para o Sul, para o Leste e para o Oeste. Mas quando percebeu quem era ela, acabou deixando-a ali mesmo para ser a professora deles.” Já pensaram nisso? Quando a professora leu aquilo, disse que o aluno que escreveu aquilo teria que se identificar. Mas William ficou quietinho.
Porém, a professora reconheceu a letra e foi conversar com o menino no fim da aula. Ao lhe perguntar por que ele fizera aquilo, ele simplesmente respondeu que tinha aprendido em casa que não devia mentir.
A resposta acabou ficando pior, não é?
Com certeza, Ellen e Tiago ensinaram seus filhos a nunca mentir, mas nunca os ensinaram a fazer
brincadeiras que poderiam deixar alguém triste. Imagino que a mamãe Ellen deve ter tido uma conversa séria com seu pequeno travesso, e William aprendeu uma importante lição. Nem sempre podemos dizer o que pensamos, a menos que seja para deixar a outra pessoa feliz.

Apelo: William cresceu e nunca mais fez uma brincadeira de mau gosto como aquela. Ele foi um
filho obediente, que também amava a Deus. Quando o papai Tiago White faleceu, William se tornou o companheiro de sua mãe. Ele viajava com Ellen, lia os textos dela e foi editor de muitos livros que ela escreveu.
Quando vocês forem tentados a fazer uma travessura, lembrem-se da história de William e façam
apenas o que for deixar a outra pessoa feliz. Que tal preparar uma surpresa legal para algum colega que está precisando de atenção? O sentimento será muito melhor...




William e o Balde de Madeira

Texto bíblico: “Mas eu cantarei louvores à tua força; de manhã louvarei a tua fidelidade, pois tu és o
meu alto refúgio, abrigo seguro nos tempos difíceis.” Salmo 59:16.

Objetivo: Ensinar que Deus dava sabedoria a Ellen White para ela saber como agir.

Recursos utilizados: Materiais de limpeza, um avental, um barquinho de papel e um balde grande.

Introdução: Ah, dia de faxina! Quanto trabalho!... mas, que gostoso quando tudo fica limpinho, não
é? Vocês costumam ajudar a mamãe no dia de limpar a casa? A história de hoje é sobre um dia em
que a faxina estava sendo feita na casa de Tiago e Ellen White. Mas quase terminou de um jeito trágico.
Querem saber o que aconteceu? Então, prestem bastante atenção porque tem alguma que ver com um
balde que estava sendo usado para deixar a casa limpa.

História Bíblica: O dia tinha começado agitado na casa da família White. Haveria uma reunião da
igreja muito importante na cidade em que eles moravam. Por isso, eles receberiam muitos hóspedes. E,
quando recebemos visitas, como deixamos a casa? Em ordem, não é? Faltavam apenas dois dias para
os visitantes começarem a chegar. A família toda estava empenhada em colaborar.
Nessa época, Tiago e Ellen tinham três filhos pequenos. O mais novo tinha apenas 1 ano e 8 meses, e
se chamava William. Enquanto Jennie, uma moça que ajudava a família White, estava limpando o chão,
William brincava com seu barquinho de papel no grande balde em que estava a água para a limpeza.
Jennie deu uma espiada na cozinha e percebeu que o fogo do fogão à lenha estava começando a
apagar. Então, ela foi rapidinho até a varanda buscar mais lenha. Quando voltou, cadê o William? Enquanto
olhava ao redor, ela só viu um pezinho dele para fora da água do grande balde.
A moça ficou desesperada e começou a gritar: “William se afogou! William se afogou!”
Ellen foi correndo até lá. Enquanto pegava William nos braços, ela fez apenas uma pergunta a Jennie:
“A água estava quente ou fria?” “Fria”, foi a resposta. Então, rapidamente Ellen pegou uma tesoura e
correu com o filhinho para o quintal. Sabem que técnica ela usou? Ela cortou as roupas da criança e
começou a rolar seu corpinho para lá e para cá na grama. As pessoas que estavam olhando, acharam
que ela estava louca ao fazer aquilo. Mas, em seguida,a água começou a sair pelo nariz e pela boca de
William, e ele voltou a respirar.

Apelo: Quem ensinou Ellen a agir daquele jeito? Deus deu sabedoria para ela saber o que fazer. E
porque agiu rápido, seu filhinho foi salvo. Acho que por um bom tempo William não quis saber de brincar
mais perto do grande balde. O fato é que naquele dia e nos dias seguintes, William recebeu muito amor
e carinho do papai e da mamãe. Ellen e Tiago eram obedientes a Deus e Deus estava com eles para
ajudá-los em todos os momentos de necessidade.