quinta-feira, 22 de junho de 2017


“Mas, faça-se tudo decentemente e com ordem.” 1 Coríntios 14:40

OBJETIVO: Compreender que fazer a vontade de Deus está acima de nossas vontades.

RECURSOS UTILIZADOS: Fotos de famílias (falar de saudade, distância), animais (camelos,
jumentos... caravana), lenço (para representar o choro).

INTRODUÇÃO: Nem todos os judeus que moravam em Babilônia saíram quando o rei Ciro os
libertou. Dentre os que ficaram estava Esdras, um homem temente a Deus.

HISTÓRIA (Esdras 10:1-19): Esdras era um descendente de Arão; ele era “escriba instruído na lei
do Deus do Céu”. Ele pediu ao rei para organizar uma caravana de judeus para irem até Jerusalém.
Além de deixá-lo ir, o rei deu ordens para que todos os que quisessem acompanhar Esdras poderiam ir
também. Também, foi autorizado que levassem ouro e prata, presentes do próprio rei e de seus conselheiros
para o Deus de Israel, e todas as ofertas que o povo quisesse dar para o templo.
Feliz pela consideração do rei, Esdras organizou a caravana. Eles estavam levando muitas coisas de
valor, e não se esqueceram de pedir a proteção de Deus. Após quatro meses de viagem, chegaram são
e salvos em Jerusalém. O reencontro trouxe muita felicidade para Esdras. Como era bom encontrar
seus amigos, seus familiares!
Mas, passado algum tempo, ele começou a perceber algo que o deixou muito desanimado. Alguém
lhe contou que alguns israelitas, incluindo chefes e dirigentes, tinham se casado com mulheres pagãs
dos povos vizinhos e estavam envolvidos nas mesmas práticas erradas de idolatria que esses povos.
Que tristeza! Esdras chorou! Sua tristeza era tão profunda que parecia que ele havia perdido seus
familiares mais queridos.
A Bíblia diz que no final da tarde, ele saiu da sua tristeza. Orou ao Senhor clamando misericórdia
e pedindo perdão. Pediu ao Senhor que desse mais uma oportunidade a eles. Depois, chamou o
povo e contou-lhe de sua preocupação e pediu que resolvessem a situação o mais rápido possível.
Não foi fácil desmancharem os laços afetivos; foram necessários três meses para que todos os casos
fossem resolvidos.
A partir daquele dia, Esdras se tornou conhecido por ter organizado a vida religiosa e social do
povo, sempre com a preocupação de ser fiel às ordens divinas.

APELO: Nosso Deus é um Deus de amor e misericórdia. Fazer a Sua vontade é nossa demonstração
de gratidão por tudo o que Ele tem feito de bom. Então, temos hoje a oportunidade de fazer as pazes
com Deus, voltando a seguir Seus ensinos. Quer você fazer a vontade de Deus?





segunda-feira, 19 de junho de 2017

Amor em ação



“Entretanto, busquem com dedicação os melhores dons...” 1 Coríntios 12:31

OBJETIVO: Compreender que devemos usar ao máximo nossas capacidades no serviço de Deus.

RECURSOS UTILIZADOS: Moedas antigas ou dinheiro, cartazes (cartões) com gravuras de dons.

INTRODUÇÃO: Jesus preocupava-Se muito com Seus discípulos. Ele sabia que não estariam juntos
por muito tempo. E em cada ocasião Ele aproveitava para contar uma história para eles.

HISTÓRIA (Mateus 25:14-30): Um homem de negócios, antes de sair para uma longa viagem,
chamou os três empregados e entregou a cada um, determinada quantia de dinheiro. Depois, disse-lhes
que teriam que fazê-la render, enquanto estivesse fora.
Entregou a cada um, segundo sua capacidade. Assim, ao primeiro, deu cinco talentos; ao outro,
dois; e ao terceiro, apena um; e foi embora.
O homem que recebeu cinco talentos pensou logo na melhor maneira de empregá-los para ganhar
dinheiro. Então, começou a trabalhar, de modo que, depressa, ganhou outros cinco talentos.
O que recebeu dois fez algo parecido, conseguindo também o dobro.
Mas o que recebeu apenas um talento cavou um buraco no chão e enterrou ali o dinheiro, com a
desculpa de que não queria que ninguém o roubasse.
Passado um tempo, o patrão chegou de viagem e chamou os empregados, pois queria saber sobre
o dinheiro que tinha deixado com eles.
O primeiro mostrou dez talentos e ele lhe disse: - Servo bom e fiel você será recompensado.
Também para o segundo servo, ele prometeu uma recompensa semelhante.
Quando chegou a vez do terceiro apresentar as contas, ele se desculpou dizendo:
- Senhor, sabendo que és um homem bravo, com medo, eu escondi na terra o seu talento; aqui
está ele.
O patrão o repreendeu:
- Servo mau e negligente, você ao menos deveria ter colocado o meu dinheiro no banco para que
rendesse. Tirem o dinheiro desse homem e deem-no ao que tem dez talentos, porque o que usa bem
o que lhe dão terá até mais. Porém, aquele que não é fiel, até o pouco lhe será tirado.
Nessa história o patrão representa Deus, que foi para longe, mas deixou vários talentos, ou seja,
capacidades para as pessoas. Será que estamos nos esforçando para desenvolvê-las?

APELO: Utilizar nossos talentos para ajudar os outros é amor em ação. É isso que faz a diferença, que
separa os salvos dos perdidos. Hoje, o pedido é que dediquemos nossos dons, nossas qualidades em
favor dos outros. Quer você fazer isso?




sexta-feira, 9 de junho de 2017

As dez moças


“Vigiai pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora.” Mateus 25:13

OBJETIVO: Compreender que devemos estar atentos aos sinais da volta de Jesus.

RECURSOS UTILIZADOS: Vestidos de dama de honra, lâmpadas, travesseiro, relógio marcando
meia-noite.

INTRODUÇÃO: A propósito da Sua segunda vinda à Terra e da necessidade de se estar atento aos
sinais, Jesus contou esta história.

HISTÓRIA (Mateus 25:1-13): Havia dez moças que foram convidadas para serem damas de honra
de um casamento. Elas estavam vestidas e preparadas, de acordo com a cerimônia e ansiosas por
tomarem parte na festa.
A cerimônia seria no fim do dia; por isso, cada pessoa tinha que levar uma lâmpada de azeite para
iluminar o caminho. Acontece que cinco delas decidiram levar uma vasilha com algum azeite extra,
para o caso de haver algum atraso e terem de esperar mais tempo que o previsto. E, de fato, depois de
estarem prontas, tiveram que esperar como era costume, que o noivo fosse buscar a noiva em casa,
onde elas estavam também.
Ali, os convidados da noiva se juntariam aos do noivo e o cortejo seguiria para o local da cerimônia.
As moças estavam animadas, conversando alegremente. Mas, como o noivo demorava, e elas se
sentiam cansadas por causa dos preparativos, acabaram dormindo. De repente, à meia-noite, ouviram
o anúncio:
- O noivo está chegando!
Acordaram assustadas, ajeitaram-se e pegaram as lâmpadas. Mas estas já haviam se apagado por
falta de combustível.
Então, chegou o noivo. As cinco jovens que haviam levado azeite extra, juntaram-se ao grupo, chegaram
ao local da festa e entraram. Em seguida, fechou-se a porta.
E as outras cinco foram procurar azeite, mas ao voltarem com a luz acesa, já era tarde demais; a
porta estava fechada. Elas tinham perdido o privilégio de acompanhar o cortejo e participar da festa.
Mesmo assim, foram até lá e suplicaram que lhes abrissem a porta, mas o dirigente da festa disse lá
de dentro:
- Não sei quem são vocês!
A lição que Jesus quis ensinar é que todos devem estar preparados para Sua vida. O noivo representa
Jesus e a festa do casamento é a ida para o Céu.

APELO: Queridas crianças, tem um segredinho que quero compartilhar com vocês: Para estarmos
prontos para a vinda de Jesus, não podemos perder tempo com distrações. Temos que ter reserva de
“azeite”. E essa reserva nós conseguimos através da comunhão com Jesus (estudo, oração e serviço).
Quer você ter essa reserva a cada dia e estar pronto para receber a Jesus?




quinta-feira, 1 de junho de 2017

O rapaz rico

Buscai, pois a Deus em primeiro lugar, e todas as outras coisas vos serão acrescentadas”. Mateus 6:33

OBJETIVO: Perceber que o mais importante é amar a Deus sob todas as coisas.

RECURSOS UTILIZADOS: Gravuras de Jesus e um rapaz, roupas dos tempos bíblicos (luxuosa),
cartões com as qualidades do cristão.

INTRODUÇÃO: Jesus gostava de contar muitas histórias. Em cada uma delas, Ele deixava uma lição.

HISTÓRIA (Mateus 19:16-26): Um dia, um rapaz forte, de boa aparência, aproximou-se de Jesus.
Dava para perceber que era educado, que pertencia a uma ótima família.
- Bom Mestre - começou o rapaz, inclinando-se respeitosamente -, o que devo fazer para ganhar a
vida eterna?
Sentindo afeição por aquele jovem, Jesus lhe respondeu da seguinte maneira:
- Você conhece os mandamentos: não matar, não roubar, não mentir, respeitar os pais...
O rapaz interrompeu Jesus, e disse, Mestre, desde menino eu faço tudo isso.
Jesus parou um momento. Depois, olhando em seus olhos, disse-lhe com amor:
- Falta-lhe uma coisa. Se você quer ser perfeito, vá venda tudo o que tem, dê o dinheiro aos pobres
e terá um tesouro no céu. Depois, venha e siga-Me.
Como não gostou de ouvir aquele conselho, o rapaz desviou o olhar de Jesus e, tristemente, foi
embora. Ele estava preso demais à sua riqueza; mesmo conhecendo os mandamentos, não percebia
que o que Deus deseja é um coração bom e cheio de compaixão para com os mais necessitados.
Foi nesta mesma ocasião em que Jesus disse ser mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma
agulha do que um rico desligar-se de suas riquezas para poder entrar no Céu.
Os discípulos acharam que assim era difícil alguém se salvar. Mas Jesus acrescentou: humanamente,
ninguém pode se salvar, mas para Deus, tudo é possível.

APELO: Aquele não foi um momento feliz para Jesus. Ele não quer que ninguém se perca. Mas, aquele
moço fez sua própria escolha. E você o que vai escolher? A vida eterna ou as riquezas deste mundo?







sexta-feira, 26 de maio de 2017

Uma pesca diferente

“Disse-lhes Jesus: vinde após Mim, e Eu vos farei pescadores de homens.” Mateus 4:19

OBJETIVO: Aceitar o convite de Jesus de buscar pessoas para Seu reino.

RECURSOS UTILIZADOS: Rede de pesca, peixes de algum material, gravuras de pessoas ou
bonecos.

INTRODUÇÃO: Vocês já pescaram alguma vez? Foi fácil? E pescar pessoas? Que coisa estranha! A
história de hoje fala de uma pesca que começou com peixes e terminou com pesca de homens.

HISTÓRIA (João 21:1-19): Quando terminou a Festa da Páscoa, as pessoas voltaram para suas
casas. Mas o assunto das suas conversas eram os últimos acontecimentos relativos a Jesus: a marcha
para o Calvário, as trevas que cobriam a cruz, o túmulo vazio e todo o mistério que aquelas cenas
envolviam.
Os discípulos, também estavam retomando à vida deles. Relembravam os momentos maravilhosos
que haviam passado ao lado de Jesus. Então, Pedro sugeriu que fossem pescar.
Lançaram as redes, como costumavam, mas não pescaram nada. Tentaram durante toda a noite.
Ao amanhecer, avistaram um Homem em pé na praia, que lhes perguntou:
- Amigos, apanharam algum peixe?
Diante da resposta negativa, o Homem, que eles não tinham conseguido reconhecer, sugeriu:
- Lancem a rede do lado direito do barco. Eles questionaram dizendo que haviam tentado a noite
toda, mas sem resultados. Mas, mesmo assim o fizeram.
O resultado foi tão extraordinário, que eles mal conseguiam puxar a rede, de tão pesada, por causa
da quantidade de peixe recolhido. Então, olhando para a praia, João disse: - É o Senhor!
Pedro não resistiu. Saltou para a água e nadou rapidamente até a praia. Os outros arrastaram os
barcos e as redes cheias de peixes.
Quando chegaram à praia, havia uma fogueira. E viram que Jesus lhes havia preparado uma
refeição. E Ele lhes fez o convite: - Venham comer!
Depois, Ele lhes serviu peixe e pão. Esta foi a terceira vez que Jesus apareceu aos discípulos, depois
de ter ressuscitado.
Jesus sabia que em breve voltaria para o Céu e deixaria Seu precioso rebanho. E estava ali para
fazer um convite aos discípulos, especialmente a Pedro.
Ele precisava que Pedro prometesse cuidar do “rebanho”. E Pedro assumiu esse compromisso
diante do Senhor.
Antes de se despedir de Pedro, Jesus lhe deu a entender o que significava verdadeiramente “amálo”.
É que ele também seria crucificado como seu Mestre.
E foi naquela ocasião que Pedro deixou definitivamente de ser pescador de peixes para se dedicar
totalmente à função de cuidar das pessoas e “pescar” homens e mulheres para o reino de Deus.

APELO: Queridos, vocês também podem ser pescadores de homens e mulheres; não precisa de uma
rede, de uma vara de pesca; precisa apenas se comprometer com Jesus e falar para outros a respeito
do Seu amor por nós. Querem vocês fazer parte deste grupo de pescadores?





quinta-feira, 18 de maio de 2017

Um bom menino rei

“Ensina a criança no caminho em que deve andar, e mesmo quando for velho, não
se desviará dele.” Provérbios, 22:6

OBJETIVO: Honrar a Deus o tempo todo.

RECURSOS UTILIZADOS: Personagem rei menino, pergaminho, Bíblia, bambu fino ou uma varinha dentro de um cano de PVC (no cano escrever “Lei de Deus”, ele representa a proteção).

INTRODUÇÃO: O povo de Deus havia se afastado mais uma vez de Deus. E cabia a seu líder trazê-
-los novamente para perto de Deus.

HISTÓRIA (2 Reis capítulos 22 e 23): Josias foi rei quando tinha apenas oito anos de idade. A
Bíblia diz que ele sempre fazia o que era correto aos olhos do Senhor. Quando ainda muito jovem, ele
obrigou que tirassem de toda a Judéia e de Jerusalém os altares e outros objetos que representavam
outros deuses, outra crença que não fosse a verdadeira. Também era necessário fazer reformas no
templo. Josias pediu dinheiro ao povo, que contribuiu voluntariamente. Compraram madeira e pedra,
mas algo muito interessante aconteceu durante a reforma do templo. O sumo sacerdote estava guardando
o dinheiro dentro da arca, e ao esvaziá-la, encontrou um pergaminho, onde estava escrita a Lei
do Senhor, dada a Moisés, e que há muito tempo, estava desaparecida.
Quando Josias ouviu o que estava escrito ali, ficou muito perturbado ao perceber até que ponto o
comportamento do povo estava longe do que Deus desejava. A Lei de Deus devia ser transmitida de
boca em boca, pois não havia Bíblia. Por mais que os profetas tentassem, o povo não obedecia às leis
divinas.
Então, Josias se humilhou e orou diante de Deus, arrependido por não fazerem a Sua vontade.
Deus aceitou a oração de Josias.
Josias convocou todo o povo, leu para eles o que estava escrito, prometeu publicamente obedecer
aos mandamentos e pediu para que o povo também o fizesse.
A Bíblia diz que nunca houve, antes ou depois, um rei como Josias, que fosse tão fiel ao Senhor,
com todo o coração, alma e força! Ele reinou por trinta e um anos.

APELO: Por que acertar parece tão difícil? Amigos, esse cano aqui (mostrar o cano) representa a Lei
de Deus, e nós estamos aqui dentro, sem ela somos muitos frágeis, fáceis de quebrar. Quem quer ser
protegido pela Lei de Deus?