quinta-feira, 20 de abril de 2017

O código do Amor

“A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma, o testemunho do Senhor é fiel, e
dá sabedoria aos simples.” Salmos 19:7

OBJETIVO: Compreender que a Lei de Deus reflete o caráter dEle.

RECURSOS UTILIZADOS: Espelho, papel grande (tipo cartão) com escrita ou gravuras, representando os Dez Mandamentos, cartões de regras (trânsito, limite peso, limite de altura...)

INTRODUÇÃO: O que vocês acham que são regras? A impressão que temos é que as regras são
ruins; não pode isso, não pode aquilo... mas você já parou para pensar que as regras podem salvar
nossas vidas? O que vocês acham, por exemplo, que aconteceria se não tivéssemos sinais de trânsito?
Deus Se preocupa tanto conosco que nos deixou algumas regras para que possamos viver melhor.

HISTÓRIA (Êxodo 20:1-17): Os israelitas chegaram à região do Sinai três meses depois daquela
noite em que saíram do Egito. O povo havia aprendido muitas coisas diferentes das que o Senhor lhes
ensinara. Agora, estavam indo para a direção oposta do seu destino. Mas Deus estava agindo assim
porque amava aquele povo e queria salvá-lo.
Deus estava preparando aquele povo com o objetivo de dar a conhecer o mundo, o plano da salvação
e revelar o Seu grande amor por eles.
Mas, para falarem aos outros sobre Deus, eles próprios tinham que saber distinguir entre o bem e
o mal, e escolher sempre o certo.
Então, Deus arquitetou um plano para passar o conhecimento de Sua vontade ao povo. Pediu a
Moisés que preparasse o povo, que se purificasse, e “Ao terceiro dia, o Senhor descerá sobre o Sinai,
diante de todo o povo”.
Foi muito grande a agitação no acampamento. Quando amanheceu o terceiro dia, o Sinai estava
envolto em uma nuvem ardente; tremia e fumegava como se houvesse um vulcão ali.
De repente, por entre o fogo e a fumaça, ouviu-se uma voz admirável, profunda e melodiosa – a
voz de Deus – que disse: “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te fez sair do Egito, da terra da escravidão”.
Depois Deus lhes apresentou os Dez Mandamentos:
I. Não terás outros deuses diante de Mim.
II. Não farás para ti imagem de escultura.
III. Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão.
IV. Lembra-te do dia de sábado para o santificar.
V. Honra teu pai e tua mãe.
VI. Não matarás.
VII. Não adulterarás.
VIII. Não furtarás.
IX. Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
X. Não cobiçarás a casa do teu próximo.
Foi por nos amar que o Senhor deixou a Sua Lei como um espelho para nos guiar no caminho certo.

APELO: Queridos, para obedecermos é preciso amar ao Senhor. Quando O amarmos mais do que
qualquer outra coisa, faremos a vontade dEle. Quer você hoje amá-Lo?



sexta-feira, 14 de abril de 2017

O Cordeiro

https://www.youtube.com/channel/UCa0Nja57-8BPQn3C2e-qhhw

O Resgate

“Porque o Senhor passará para ferir os egípcios; quando vir, porém, o sangue na verga da
porta... passará o Senhor aquela porta, e não permitirá ao destruidor que entre em
vossas casas, para os ferir” Êxodo 12:23

OBJETIVO: Entender que vale a pena ficar ao lado de Deus.

RECURSOS UTILIZADOS: Pão (tipo árabe), ervas amargas, tinta vermelha, uma porta de madeira
ou papel imitando madeira.

INTRODUÇÃO: O povo de Deus já era escravo há muito tempo no Egito, e Deus queria libertá-lo.

HISTÓRIA (Gêneses 12:1-36): Deus chamou Moisés para a missão de libertar o povo da escravidão,
mas o Faraó não os libertava. O Senhor enviou pragas ao Egito, mas o rei não mudava de ideia. (Poderá
recordar as pragas)
Então Deus mandou Moisés anunciar a 10ª praga a Faraó. Moisés disse a Faraó que Deus enviaria
um anjo para ferir os primogênitos dos egípcios. O filho mais velho de cada família seria morto, inclusive
dos animais.
Porém, antes que Deus enviasse a última praga ao Egito, ordenou a Seu povo que fizesse uma série de
coisas: comer carne assada de cordeiro e pão, calçar sandálias, ficar com o cajado nas mãos (era o bastão
que os pastores usavam para conduzir as ovelhas), todos deviam estar prontos para viajar. Mas, porque
será que Deus estava pedindo essas coisas? Porque Deus os tiraria do Egito, o mais rápido possível.
Também, Deus mandou que as famílias de Israel colocassem o sangue de um cordeiro nos portais
das casas (lado de cima da porta), para que seus primogênitos não fossem mortos. Esse era o sinal
para marcar as casas dos israelitas. Por isto, o povo não poderia desobedecer a esta ordem, e se o
fizesse, seus filhos morreriam.
A essa preparação para o povo sair do Egito, Deus chamou de Páscoa. E quando os israelitas
entrassem na Terra Prometida, eles deveriam fazer uma festa para comemorar aquele dia, que seria a
primeira Páscoa.
A Páscoa é para lembrar que Jesus morreu e derramou Seu sangue para nos salvar do pecado, e
que depois de três dias, Jesus ressuscitou.
Depois que os israelitas fizeram tudo o que Deus mandou, Ele enviou a última praga: a morte dos
primogênitos. O Senhor feriu todos os primogênitos do Egito. Os filhos dos israelitas não morreram
por causa do sangue do cordeiro que havia na porta da casa deles. Só depois da morte dos primeiros
filhos de cada família, inclusive do filho de Faraó, que ele resolveu libertar o povo de Israel.

APELO: O sangue de um cordeiro, passado nas portas das casas, livrava da morte o filho mais velho
da família. Na festa da Páscoa, nós lembramos a morte de Jesus, que também derramou o Seu sangue
para nos libertar do pecado, e também que Ele ressuscitou para nos dar uma nova vida. Você aceita
Jesus como seu Salvador?




sexta-feira, 7 de abril de 2017

Respeitar a vontade do Pai



“Serviremos ao Senhor nosso Deus e lhe obedeceremos”. Josué 24:24

OBJETIVO: Respeitar a vontade de Deus como soberana.

RECURSOS UTILIZADOS: Pedaço de capa, espada, escudos, vendas (para representar escuridão).

INTRODUÇÃO: Quem gosta de brincar de esconde-esconde? É divertido, não é mesmo? Mas dá
um friozinho na barriga, quando estamos escondidos com medo de ser descobertos! Imaginem vocês
estarem em uma caverna escura, escondidos, e o seu adversário entra na mesma caverna? Nossa!
Assustador! A história de hoje nos conta de um episódio na vida de dois homens que estavam na
mesma caverna. Mas, um não gostava do outro.

HISTÓRIA (1 Samuel 24-1-22): Saul estava determinado a encontrar Davi. Apesar dele não ter
feito nada para prejudicar o rei Saul. E foi informado a ele que Davi estava no deserto de En-Gedi.
Então, Saul convocou três mil homens, dos melhores soldados de Israel e partiu no encalço de Davi e
seus homens. Foram para a região dos rochedos dos Bodes Selvagens. Ele chegou até o local que havia
alguns currais de ovelhas, ao lado da estrada. Perto dali havia uma gruta, e Saul entrou nela. Acontece
que Davi e seus homens também estavam amontoados no fundo dessa gruta. Os homens de Davi lhe
disseram:
- Você acredita nisso? O Senhor deve estar dizendo: “Entregarei o seu inimigo em suas mãos. Faça
com ele o que bem entender”. Davi, silenciosamente, cortou um pedaço da vestimenta de Saul. Mas,
no mesmo instante, sentiu-se culpado e disse a seus homens:
-Que o Senhor me livre de fazer algum mal ao meu senhor. Não vou levantar um dedo contra ele.
Ele é o ungido de Deus!
Assim, Davi impediu que seus homens acabassem com a vida de Saul. O rei levantou-se e saiu da
caverna para seguir seu caminho.
Então, Davi se pôs à entrada da gruta e gritou para Saul:
- Meu senhor! Meu rei!

APELO: Crianças, vocês acham que é fácil obedecer? Aos pais, professores, avós... Às vezes, é complicado!
Mas, Deus é tão maravilhoso, que nos dá hoje a oportunidade de fazer a vontade dEle. Quer
você hoje dizer: Senhor Jesus, eu quero hoje ser obediente a Ti?



quinta-feira, 30 de março de 2017

A mulher que confiou no Senhor

“... Crede no Senhor vosso Deus e estareis seguros, crede nos seus profetas,
e prosperareis”. 2 Crônicas 20:20

OBJETIVO: Compreender que, mesmo em tempos difíceis, o Senhor não desampara Seus filhos.

RECURSOS UTILIZADOS: Farinha de trigo, bacia, biscoito (um pacote com apenas um).

INTRODUÇÃO: O que você faria, se tivesse apenas um biscoito no pacote, ou um lanche pequeno e
alguém que você não conhece pedisse porque também estava com fome?

HISTÓRIA (1 Reis 17: 8-24): Elias era um amigo de Deus. E, como Deus havia dito que não choveria,
secou até o riacho onde Elias buscava água. Elias deveria ir até uma cidade chamada Sarepta,
porque lá uma mulher lhe daria comida.
Ele foi para esse lugar, e na entrada da cidade, encontrou uma viúva apanhando lenha. Então, ele
perguntou:
- Por favor, poderia me trazer uma jarra de água? Estou com sede.
Quando ela fez menção de buscar água, ele disse:
– E também, por favor, traga alguma coisa para eu comer. E ela respondeu:
- Assim como vive o Senhor, seu Deus, juro que não tenho nada para comer. Tenho uma vasilha de
farinha e um pouco de azeite numa botija. Estou pegando gravetos porque vou preparar alguma coisa
para meu filho e eu comermos. Depois disse só nos resta morrer. E Elias disse a ela:
- Não se preocupe, faça o que eu disse: Prepare um bolinho e traga-o para mim. Depois, prepare
uma refeição com o que sobrar pra você e seu filho. O Deus de Israel diz: “Nem a vasilha nem a botija
ficarão vazias, até que o Senhor mande chuva sobre a terra, e ponha fim a essa seca”.
Ela saiu e fez exatamente o que Elias tinha pedido. E aconteceu como ele falou. Todos os dias, havia
comida para ela e pra seu filho. A promessa do Senhor se cumpriu.
Tempo depois, o filho da viúva adoeceu. A doença se agravou, e, em certo momento, ele parou
de respirar.
A mulher disse a Elias:
- Por que, ó homem de Deus, o senhor veio até aqui interferir na minha vida, expor o meu pecado
e matar meu filho? Elias disse:
-Traga seu filho para mim.
Ele tomou o menino em seus braços, levou-o para o seu quarto, pôs o menino na sua cama e orou:
- Ó Senhor, meu Deus, porque trouxeste essa desgraça sobre essa viúva, que me acolheu em sua
casa? Por que tiraste a vida do filho dela? – E deitou-se três vezes sobre o corpo do menino orando –
Ó Senhor, meu Deus, devolve o fôlego desse menino!
O Senhor ouviu a oração de Elias, e o menino ressuscitou. Elias pegou o menino, levou-o para baixo
e entregou-o a sua mãe dizendo:
-Aqui está seu filho. Está vivo! A mulher respondeu:
- Agora estou entendendo. O senhor é um homem de Deus. Quando fala é Deus que está falando!

APELO: Linda história, não é? Bondade gera bênção. E a bênção do Senhor é completa. Você quer
fazer um acordo com o Senhor hoje? Que ser bondoso e compartilhar o que você tem com os outros?




sexta-feira, 24 de março de 2017

Bondade recompensada

“Quem é generoso será abençoado, pois reparte o seu pão com o pobre.” Provérbios 22:9

OBJETIVO: Compreender que devemos ser hospitaleiros.

RECURSOS UTILIZADOS: Roupas dos tempos bíblicos, carinhas de mulher no palito (feliz e triste),
tapetinho de oração.

INTRODUÇÃO: Quem gosta de receber visitas? É muito bom ter amigos, parentes nos visitando...
Geralmente a comida é especial, a casa é toda arrumada, tem sobremesa diferente; o melhor que
temos, nós oferecemos às nossas visitas. Havia uma mulher em Suném que também gostava de
receber visitas.

HISTÓRIA (2 Reis 4: 8-37): Toda vez que o profeta Eliseu ia à Palestina, ele passava por um lugar
chamado Suném. Ali vivia um casal rico e muitas vezes o profeta parava na casa deles para descansar
e comer.
Certo dia, a esposa falou com o marido que tinha certeza que aquele homem que os visitava era
um profeta do Senhor. E que deveriam fazer um quarto para ele para que tivesse um lugar adequado
para descansar de suas viagens. E assim fizeram.
O profeta ficou muito grato a eles e queria recompensá-los, de alguma forma. Então, seu servo
disse a ele que eles não tinham filhos e que o marido já era idoso. Então, o profeta disse àquela
mulher que dentro de um ano ela seria mãe. Apesar de ela ter ficado receosa, o Senhor cumpriu a
promessa. E ela teve um lindo bebê. Era a alegria da casa; o centro das atenções.
Mas, quando o menino já estava crescido, ficou muito doente, sentia muita dor de cabeça. E sua
mãe fez tudo o que podia para salvá-lo, mas ele morreu. Ela então o colocou no quarto do profeta e
pediu para prepararem uma jumenta para ir ao encontro do profeta. Não disse nada a seu esposo para
não preocupá-lo. Eliseu regressou com ela, subiu ao quarto e viu o menino morto em cima da sua
cama. Fechou a porta, orou muito ao Senhor. Aqueceu o menino, e este espirrou sete vezes e abriu os
olhos. Um milagre acabara de acontecer!
Aquela mãe ficou muito feliz. Caiu ajoelhada, expressando gratidão ao profeta e, acima de tudo,
a Deus.

APELO: Depois desta história tão linda sobre hospitalidade e milagre, podemos concluir que quando
somos hospitaleiros, podemos estar hospedando anjos (como diz uma música). E você, amiguinho,
quer ter essa atitude de hospitalidade?